• Facebook Basic Black
  • Black LinkedIn Icon
  • Twitter Basic Black

© 2017. Asociación de Profesores de Lengua Portuguesa en España (APLEPES)

Nuestra sede

Universidad Complutense de Madrid
Facultad de Filología, Edificio D
Despacho 2.380
C/ Profesor Aranguren S/N
Ciudad Universitaria
28040 Madrid

Telf.: 91 394 5406

Horário: de lunes a miércoles, de 17h30 a 19h.

​(Durante los meses de verano, no se realizará atención telefónica)

E-mail: aplepes@gmail.com

November 14, 2019

November 12, 2019

Please reload

Entradas recientes

Curso de 21 horas certificado por: Universidade Complutense de Madrid / APLEPES

April 2, 2019

1/1
Please reload

Entradas destacadas

PORTUGUÊS LÍNGUA ESTRANGEIRA (C1 E C2): DAS ESTRATÉGIAS DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM À CONSTRUÇÃO DE MATERIAIS DIDÁTICOS

March 4, 2018

 

Ministrado pelo Prof. Dr. Paulo Osório (Universidade da Beira Interior, Portugal).

 

Dia 14.04.2018 - Das 15h30 às 20h00.

Dia 15.04.2018 - Manhã, das 10h00 às 14h15 // Tarde, das 15h30 às 20h00.

Lugar: Colegio Mayor Casa do Brasil (Avda. Arco de la Victoria, 3).

​Inscrição: Enviar email à direção aplepes@gmail.com, com comprovante de depósito bancário.​

Dados bancários: Bankia, IBAN ES16 2038 1155 1160 0043 4035, devendo constar o nome do depositante e a seguinte observação: Curso PLE C1 e C2​.

Valor: Sócios da APLEPES: 20€ // Não sócios, incluindo associação: 70€ // Não sócios, sem incluir associação: 90€.

Entidades colaboradoras: Universidade da Beira Interior, Universidad Complutense de Madrid, Casa do Brasil e AMAS.

Será concedido um certificado de assistência aos participantes.

 

 

PROGRAMA:

 

Português Língua Estrangeira (C1 e C2):

das Estratégias de Ensino e de Aprendizagem à Construção de Materiais Didáticos

 

 

Paulo Osório

Universidade da Beira Interior, Portugal

 

 

Introdução:

 

Quando trabalhamos em contexto de Didática da Língua Não Materna, devemos ter em conta que a investigação e ensino em PL2 e PLE[1], enquanto área de estudo, exige um vasto leque de enquadramentos que não encontram respostas completas numa única área de conhecimento e pesquisa, mas que, segundo Ferrão Tavares et al. (1996: 20), «(…) estes saberes só ganham coerência no interior da própria disciplina – Didáctica das Línguas e das Culturas». Todavia, há quem defenda que a Didática das Línguas assume características comuns com a Didática de outras áreas, pois Gohart-Radenkovic (1999: avant-propos, XVII) refere: «elle ne se fonde ni sur les seuls contenus ni sur les seules démarches d`une discipline traitant de la langue – la linguistique ou encore la littérature – qu`il s`agirait de didactiser pour en enseigner les modèles». A investigação, neste domínio, nomeadamente sobre aquisição e aprendizagem de segunda língua, conta com diversas contribuições (Corder, 1981 e 1983; Ellis, 1985 e 1997; Kramsch, 1986; Py, 1989 e 1993; Pietro, Matthey e Py, 1989; Gaonac`h, 1990, entre outros), apesar de, no entanto, tal como afirma Leiria (2006: 5), «ao contrário do que acontece com o Inglês, e já vem acontecendo com o Espanhol desde meados dos anos 90, ao muito que se tem dito e escrito sobre a importância do Português entre as línguas do mundo não tem correspondido um interesse suficiente para que a investigação sobre a sua aprendizagem como língua não materna tenha hoje uma expressão que nos permita sequer começar a apoiar nela a formação de professores». Por ter como matéria de base a língua, nos seus mais variados aspetos, o ensino de uma Língua Segunda e Língua Estrangeira está diretamente relacionado com a Linguística. Temos, contudo, que proceder a algumas considerações, pois o termo ensino implica, neste caso, a consideração de práticas e conceções relacionadas com a didática de uma Segunda Língua ou Língua Estrangeira, levando-nos a ter de considerar a existência de uma relação entre duas áreas, isto é, a Linguística e a Didática de Línguas.

A construção de materiais didáticos torna-se fundamental e central nesta atitude prática de ensino da língua não materna. Este curso pretende, pois, abordar e enquadrar alguns aspetos mais teóricos, mas fundamentalmente assume um caráter prático: contribuir para a elaboração de materiais pedagógico-didáticos de nível C1 e C2 do QECR.

 

 

Objetivos:

  1. Enquadrar as diversas situações educativas de PL2 e PLE nos contextos de ensino do português.

  2. Situar os atuais quadros e conceções curriculares no âmbito das políticas educativas e linguísticas europeias na área do ensino-aprendizagem da língua não materna.

  3. Conhecer métodos e estratégias de ensino ajustadas ao ensino da língua não materna.

  4. Adotar meios e recursos pedagógico-didáticos em circunstâncias concretas da prática letiva de L2 e LE.

  5. Elaborar materiais didáticos de nível C1 e C2.

 

Destinatários:

- Professores de PLE.

 

 

Conteúdos programáticos:

 

  1. O Ensino do Português como Língua Segunda (L2) e como Língua Estrangeira (LE): Algumas Considerações Introdutórias e Situação Atual da Prática de Ensino do Português Língua Não Materna.

    1. Objeto e Objetivos do Ensino de PL2 e PLE.

    2. Conceitos Operatórios.

      1. Língua Materna; Língua Segunda; Língua Estrangeira; Língua Não Materna.

      2. Aquisição e Aprendizagem. 

      3. A Importância de Alguns Construtos Teórico-Metodológicos no Processo de Ensino-Aprendizagem de PL2 e PLE.

 

2. Competências Essenciais em Língua Portuguesa: o Caso Específico de PL2 e PLE.

2.1. A Oralidade.

2.2. A Escrita.

2.3. A Leitura.

2.4. A Gramática em Apoio ao Desenvolvimento das Competências de Ouvir/Falar/ Ler e Escrever.

 

3. Instrumentos e Materiais Didáticos no Domínio da Língua Não Materna.

3.1. Construção de materiais didáticos – C1 e C2.

3.2. Construção de instrumentos de avaliação – C1 e C2.

3.3. Apreciação crítica de métodos e outros materiais disponíveis no mercado.

 

Metódos pedagógicos a utilizar:

- Exposição, debate, trabalho de grupo.

 

 

 

[1] Curiosa é a afirmação de Leiria (2006: 385): «Há trinta anos, quando os estudos de aquisição de L2 começaram a despertar o interesse dos investigadores e dos agentes de ensino na Europa e na América, e quando, ao mesmo tempo, Portugal e o Português despertavam o interesse do mundo, aqui, felizmente, estávamos todos ocupados com a paz, o pão, com a habitação e com a saúde, que a motivação para aprender e ensinar a nossa língua dispensava a investigação (...). À medida que (...) entre nós, se foi falando cada vez mais de “lusofonia”, a motivação para aprender e ensinar a nossa língua foi deixando de dispensar a investigação».  

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Síguenos